RCD
Investigações sobre os trabalhadores: lícitas em caso de autorização de trabalho?
  • Rivista Scientifica ANVUR
  • . - Liv. (ris. W - H)
ISCRIVITI (leggi qui)
Pubbl. Sab, 4 Giu 2016

Investigações sobre os trabalhadores: lícitas em caso de autorização de trabalho?

Modifica pagina

autore Salvatore Aromando


Gostaria de obter uma autorização de trabalho para se dedicar as suas coisas?


Atenção! Use as autorizações em virtude da Lei 104/92! Se com o pretexto de cuidar de um familiar com deficiência, você esteja em outros lugares por fins pessoais, o empregador pode despedir-vos. Além disso, este último pode usufruir de um investigador privado, para controlar o vosso (legitimo ou não) da autorização de trabalho obtida. Estes princípios foram comfirmados pela sentença n. 4984 do Tribunal de Cassação de 4 Março de 2014.

Este controle oculto, que aparentemente pode parecer inoportuno, não se considera – segundo o Tribunal – uma violação da privacidade. Cabe mencionar que no processo o empregador pode recorrer a eventuais testemunhos que confirmem o facto de o trabalhador ser visto em circunstâncias que diferem do âmbito familiar e, portanto, em outros lugares.  

Contudo, em nenhum dos artigos da nossa revista, não foi afirmada e/ou confirmada a existência de uma proibição.

De facto, tal proibição está prevista pelo Estatuto dos Trabalhadores italiano (Lei n. 300/70), que se refere somente ao ambiente de trabalho e que se aplica quando resulta necessário controlar a actividade laboral em si.

Diferentemente, o recurso a um detective é activável fora do ambiente laboral e é finalizado à tutela do património da empresa, isto é, verificar se o trabalhador está a respeitar o próprio contrato de trabalho. Mais especificamente, o objectivo deste controlo é certificar um eventual uso impróprio das autorizações obtidas através da Lei 104/92 enquanto, além das situações recém-mencionadas, actua-se em fase de suspensão da principal obrigação laboral.

Portanto, resulta evidente que o recurso a um detective é uma decisão legitima. Cabe mencionar que o uso ilícito das ditas autorizações pode implicar consequências penais.

 

 

* A Lei de 5 de Fevereiro de 1992, mais conhecida como a Lei 104/92, refere-se à assistência, à integração social e aos direitos das pessoas com deficiências. Porém os destinatários desta lei são os deficientes, não há referências relativas às pessoas que vivem com eles. O texto aqui referido parte da pressuposição que o deficiente e a sua família devem ter uma assistência adequada, para que eles possam ser autónomos e bem integrados na sociedade. Esta ajuda, pode ser apresentada sob forma de serviços finalizados à pessoa com deficiência e à sua família ou, também, sob forma de ajuda psicológica, psicopedagógica e técnica.